sábado, 10 de novembro de 2007

O HOMEM E O AVESTRUZ

POR E-MAIL DE CARLOS DE ALMEIDA CUNHA – 09/11/2007
Um homem entra num restaurante com uma avestruz atrás dele. A garçonete pergunta o que querem.
O homem pede : "Um hambúrguer, batatas fritas e uma coca ". E vira-se para a avestruz: "E você, o que vai querer?" "Eu quero o mesmo", responde a avestruz.
Um tempo depois a garçonete traz o pedido e a conta no valor de R$32,50. O homem coloca a mão no bolso e tira o valor exato para pagar a conta.
No dia seguinte o homem e a avestruz retornam e o homem diz: Um hambúrguer, batatas fritas e uma coca”. E vira-se para a avestruz: "E você, o que vai querer?" "Eu quero o mesmo", responde a avestruz. De novo o homem coloca a mão no bolso e tira o valor exato para pagar a conta.
Isto se torna uma rotina até que um dia a garçonete pergunta: "Vão querer o mesmo”? "Não, hoje é sexta e eu quero um filé à francesa com salada" diz o homem. "Eu quero o mesmo" diz a avestruz. Após trazer o pedido, a garçonete trás a conta e diz:"Hoje são R$87,60."
O homem coloca a mão no bolso e tira o valor exato para pagar a conta, colocando em cima da mesa. A garçonete não controla a sua curiosidade e pergunta: "Desculpe, senhor, mas como o senhor faz para ter sempre o valor exato a ser pago"?
E o homem responde : "Há alguns anos atrás eu achei uma lâmpada velha e quando a esfregava, para limpar, apareceu um gênio e me ofereceu 2 desejos”.
Meu 1º desejo foi que eu tivesse sempre no bolso o dinheiro que precisasse para pagar o que eu quisesse."Que idéia brilhante”! "Falou a garçonete”. "A maioria das pessoas deseja ter um grande valor em mãos ou algo assim, mas o senhor vai ser tão rico quanto quiser, enquanto viver”! "É verdade, tanto faz se eu for pagar um litro de leite ou um Mercedes, tenho sempre o valor necessário no bolso." Respondeu o homem.
"E a garçonete perguntou : "Agora, o senhor pode me explicar a avestruz”?
O homem! Faz uma pausa, suspira e responde:"O meu 2º desejo foi ter como companhia alguém com uma bunda grande e pernas compridas, que concordasse comigo em tudo".

4 comentários:

Carlos André Berg disse...

Carlos,
Esta parábola encerra um monte de lições, não é mesmo?

Mário B. de Souza disse...

Nessa metáfora a lição que se encerra para mim, é que a ganância do dinheiro e a vaidade do poder são debilidades humanas perversas.
Nada com ser despreendido desses defeitos, para o seu próprio bem e para o bem da coletividade.

Mário B. de Souza disse...

Desculpe, a linguagem utilizada no texto não é metafórica e sim uma parábola. Fica a correção.
abç.
Mário de Souza

Anônimo disse...

Que essa parábola sirva de lição para os gananciosos da PMCG, que tem a caneta na mão. Eles ostentam na maior cara de pau. Cuidado com a Polícia.