quarta-feira, 21 de novembro de 2007

NORONHA NÃO É UM BOM EXEMPLO DE PRESERVAÇÃO

É o que revela uma tese de doutorado defendida na Universidade de São Paulo. De acordo com a autora, Glória Maria Widmer, o arquipélago de Fernando de Noronha não estaria preparado para preservar suas praias nas altas temporadas e não se valeria de seu título de Patrimônio da Humanidade para atrair novos visitantes. O trabalho constatou que no período de férias escolares, os navios chegam com até 1.500 passageiros ao arquipélago - o Ibama permite no máximo 400. Além disso, as pessoas chegam em barquinhos pela Praia de Atalaia, que fica ao lado do único mangue em ilhas oceânicas do hemisfério sul, o que contraria todas as leis de preservação. Glória constatou ainda que cerca de 86% das pessoas que vistava o local não conhecia o título internacional conquistado pelo Arquipélago - situação bem diferente em países desenvolvidos, onde os governos se aproveitam desta situação para atrair turistas de forma moderada. Só para se ter uma idéia, o Brasil tem a quarta melhor classificação entre as nações do mundo que possuem sítios naturais, atrás dos Estados Unidos, Austrália e Rússia. Fernando de Noronha está entre os 17 sítios brasileiros, sendo 10 culturais e sete naturais. É uma pena que uma das mais belas vistas naturais do país não tenha um tratamento exemplar. Os moradores relatam que escondem lixos para não ter de pagar taxas extras para mandá-los de volta ao continente. Não é de se estranhar que parte dessas pessoas tentem dar um fim nos resíduos na surdina, no próprio arquipélago, sem que ninguém veja.

Um comentário:

Rogerinho disse...

O Ser-Humano é mesmo destruidor por natureza. Agora você vê: Um paraíso de DEUS deixado para nós e já estamos destruindo.
Isso tudo é fruto de um povo mal educado e sem civilidade.
Mas é isso que os nossos governantes querem: um povo sem educação e poder de discernimento, para poderem ser manipulados.