segunda-feira, 19 de novembro de 2007

10 NADADORES VETERANOS QUE AINDA FAZEM SUCESSO NA NATAÇÃO MUNDIAL

Luiz Lima - BRASIL
Best Swimming - Noticias/ Online - Natação - 08/11/2007
Existem vários "velhinhos" que ainda dão trabalho para a garotada mais nova. A Best Swimming no TOP 10 seleciona dez que têm feito "estragos" deixando a coisa mais dura para a nova geração:
1) MARK FOSTER (Grã-Bretanha) Aos 37 anos, Mark Foster ainda dá trabalho dentro e fora d´água. Recordista britânico, Foster é o melhor velocista britânico de todos os tempos. Porém, se recusa a participar dos programas da Federação, não gosta dos training camps e faz seu próprio treinamento. Teve muitos problemas com Bill Sweetenham e chegou até anunciar que não defenderia a Seleção Nacional novamente. Até anunciou sua aposentadoria. Continuou competindo e voltou a vencer no último Campeonato Nacional Está se preparando para o Mundial de Curta que será em Manchester no próximo ano. 2) THERESE ALSHAMMAR (Suécia) Aos 30 anos e cada vez mais rápida. Therese continua brilhando como nunca. Bateu o recorde mundial dos 50 borboleta em e venceu os 50 livre no Aberto de Paris com 24:23. Este tempo é líder do ranking mundial de 2007 e segundo melhor performance de todos os tempos. Therese caminha para sua quarta participação olímpica. 3) DARA TORRES (USA) Aos 40 anos, Dara já é o maior fenômeno da longevidade em natação. Recordista americana dos 50 livre com 24:, Dara voltou as piscinas apenas alguns dias após dar a luz a sua primeira filha. Dara voltou com intenção de melhorar a saúde e se motivou para conquistar o que jamais ninguém nunca conseguiu: Ser olímpica pelos Estados Unidos pela 5ª vez. 4) FABÍOLA MOLINA (BRASIL) Fabíola Molina é a nadadora brasileira de maior longevidade em destaque internacional. Aos 32 anos, Fabíola é imbatível nos 100 costas, prova que detém o recorde sul-americano por mais de uma década. Também detém as marcas continentais dos 50 costas tanto na curta como na longa. Já foi recordista sul-americana dos 200 costas. É uma das poucas "trintonas" que ainda fazem sucesso na América do Sul. 5) GARY HALL JR. (USA) Gary Hall Jr está em busca de um feito inédito. Aos 33 anos de idade, está treinando com o seu Race Club a caminho de uma terceira vitória na prova dos 50 livre nos Jogos Olímpicos de Beijing. Gary acumula dez medalhas olímpicas, das quais cinco são de ouro. Treinando pouco, mas sempre falando muito, Gary Hall é o tipo do nadador que nunca se pode desprezar. Os seus adversários lhe respeitam e não será surpresa vê-lo no time americano olímpico do próximo ano. 6) JASON LEZAK (USA) Aos 32 anos de idade, Lezak está treinando sozinho em busca da sua terceira participação olímpica. O nadador é uma espécie de líder dos velocistas americanos e seus treinamentos "solitários" ganharam até adeptos para treinar junto com o ídolo. Lezak tem fama de ser nadador de revezamento. Até hoje, nas suas quatro participações olímpicas, ele acumula quatro medalhas, duas de ouro, uma de prata e uma de bronze, todas em provas de revezamento. Em Campeonatos Mundiais, ele já ganhou três medalhas, todas em revezamentos. Em Mundiais de Curta, foram sete medalhas, e apenas uma em prova individual. Em Pan Pacíficos, foram quatro medalhas, apenas uma individual. Ou seja, não é fama, é fato. 7) LUIZ LIMA (BRASIL) 30 anos de experiência, das piscinas para as águas abertas. Luiz Lima foi o fundista dominante da natação brasileira nos anos 90 e no princípio desta década. Atualmente está se destacando mais nas águas abertas e continua seus treinamentos em busca de uma última participação olímpica em Beijing 2008. Luiz tem em seu currículo três medalhas em Jogos Pan Americanos e mais cinco em Universíades. A sua maior conquista, entretanto, é a filhinha Luiza, que já brilha nas aulas de natação da sua própria academia. 8) MARTINA MORAVCOVA (ESLOVÁQUIA) Quatro participações olímpicas, a primeira quando tinha apenas 16 anos de idade, fazem de Martina Moravcova, aos 31 anos de idade, a nadadora de maior expressão de seu país em todos os tempos. Duas medalhas de prata nas Olimpíadas de Sydney onde atingiu o máximo de sua carreira. Treina no Texas desde os 18 anos de idade e caminha para a sua última participação olímpica. 9) LARS FROELANDER (SUÉCIA) Quatro participações olímpicas, e aos 33 anos de idade, o sonho de mais uma em Beijing. Campeão olímpico dos 100 borboleta em Sydney 2000, Lars já não treina muito, apenas 3.000 metros por dia, o suficiente para se manter ativo e com o sonho vivo de chegar a Beijing. Duas vezes recordista mundial dos 100 borboleta em piscina curta, ganhou fama e medalhas internacionais primeiramente nas provas de livre sendo inclusive medalhista olímpico em 1992 no 4 x 200 livre da Suécia. 10) RYK NEETHLING (ÁFRICA DO SUL) O sul-africano tem uma carreira bastante interessante pelo fato de ter ganho fama internacional nas provas de fundo e atualmente, aos 30 anos de idade, se destacar nas provas de velocidade. Sua primeira participação olímpica foi em Atlanta 1996 quando ficou em 5º lugar nos 1500 livre. Logo após, se mudou para os Estados Unidos onde treina até hoje no Arizona. Voltou a ser olímpico em 2000 onde chegou as finais dos 400 e 1500 livre. Já em 2004, integrava o revezamento campeão olímpico recordista mundial e olímpico do 4 x 100 livre. Desde então tem se destacado nas provas de velocidade vencendo com freqüencia o circuito da Copa do Mundo em piscina curta onde se sagrou campeão geral nos anos de 2005 e 2006.

Um comentário:

Professor Indignado disse...

Já repararam coo o Brasil tem conseguido destaque na natação. Tudo isso devido ao trabalho de base que é feito pelo Brasil a fora. Menos em Campos, onde a piscina da FME é criadouro de mosquitos. Rio das Ostras e Quissamã estão na frente de Campos anos luz.