sexta-feira, 30 de novembro de 2007

E. C. SOLARIANOS ENFRENTA TIME DA PROJEX NO DIA 15/12

O time do Solarianos no último jogo contra o núcleo do Vasco da Gama

O time infantil do Condomínio Solar do Engenho, o Esporte Clube Solarianos, enfrentará o time da Projex Sport Center, nas categorias: sub 8 anos e sub 12 anos. O jogo está marcado para o dia 15 de dezembro próximo, às 9 horas, no campo de grama sintética da Projex. O time da Projex é dirigido pelo competente professor Alex Valentim e o jogo será imperdível para os amantes do futebol, principalmente para àqueles que vibram com as categorias de base. O E. C. Solarianos nasceu de uma iniciativa de alguns pais de crianças moradoras no Condomínio Solar do Engenho, como forma de proporcionar a integração entre as crianças do condomínio, a educação através do esporte e o sentimento de preservação e valorização do espaço físico do Condomínio, um dos mais conhecidos de Campos.

HOMENAGEM

O BLOG faz uma justa homenagem a essa jovem e competente Profissional de Educação Física, Alessandra Abreu Rocha, pelo seu abnegado trabalho junto a crianças carentes do excepcional Projeto Social – “PROGRAMA DE CRIANÇA – BR”, que funciona nas dependências do SEST SENAT. Esta Ideação trata-se de um dos projetos sociais mais importantes e mais bem geridos, pela iniciativa privada, diga-se de passagem, voltados para o esporte, para a arte, cultura e educação, que existe e já existiram em nossa cidade. Que o exemplo desse Projeto, coordenado pela “Tia Leila”, não acabe nunca e sirva de exemplo para as dezenas de projetos sociais bancados pelo erário púbico de Campos.

Um dia a casa cai...

Apuros...

Que pássaro é esse?

Tucano Feliz

Como será Agora?

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

sábado, 24 de novembro de 2007

SEXO ENTRE OS MAIS VELHOS

por Drauzio Varella Pesquisa revela que a freqüência de relações entre os idosos considerados ativos é similar à dos mais jovens Os homens mostraram mais interesse que as mulheres “Para mim o sexo diminuiu, mas não morreu” – ouvi de um senhor de 85 anos. Na época, recém-formado, fiquei surpreso com a afirmação. Sexo na velhice era assunto proibido. Ainda hoje, pela falta de inquéritos epidemiológicos, são precários os conhecimentos médicos a respeito da sexualidade depois dos 60 anos. Daí a importância do estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Chicago, publicado no The New England Journal of Medicine, a revista médica de maior circulação. No período de julho de 2005 a março de 2006, foram entrevistadas 3.005 pessoas de 57 a 85 anos, representativas de diferentes grupos étnicos e classes sociais, distribuídas por todo o território dos Estados Unidos. Foram colhidos dados sobre condições de saúde, estado civil, as três parcerias sexuais mais recentes dos últimos cinco anos, práticas sexuais e sobre as dificuldades que prejudicam a atividade sexual. Considerou-se sexualmente ativo quem teve sexo com pelo menos uma pessoa, nos últimos 12 meses. Atividade sexual foi definida como “qualquer atividade mutuamente voluntária que envolva contato sexual, com ou sem intercurso ou orgasmo”. Os que viviam com alguém ou que se referiam a uma parceria “romântica, íntima ou sexual” foram classificados na categoria “casados ou outros relacionamentos íntimos”. Os que negaram atividade sexual nos últimos três meses responderam um questionário em separado a respeito das possíveis explicações para o fato. Como esperado, a probabilidade de preservar a atividade sexual diminuiu gradativamente com a idade. Nas mulheres a queda foi mais acentuada. Homens que caracterizaram sua condição de saúde como excelente ou boa apresentaram probabilidade cinco vezes maior de preservar a vida sexual do que aqueles com saúde razoável ou pobre. Entre as mulheres essa probabilidade caiu para três vezes. Em qualquer faixa etária as mulheres têm menos chance de estar casadas ou de ter “outras relações íntimas”. A diferença aumenta dramaticamente com a idade. Dos homens solitários, 22% estiveram sexualmente ativos no ano anterior; das mulheres solitárias, 4% Entre mulheres e homens da mesma idade casados ou vivendo relacionamentos íntimos, o número de homens ativos foi maior. É possível que a explicação esteja na preferência masculina por parceiras mais jovens. Dos que ainda mantinham atividade sexual na faixa de 75 a 85 anos, 54% relataram relações sexuais duas ou três vezes por mês, e 23% uma ou mais vezes por semana. Nesse grupo, 78% dos homens e 40% das mulheres viviam uma relação marital ou íntima. No grupo de 57 a 64 anos, 62% dos homens e 52% das mulheres confessaram masturbar-se. Esses números caíram respectivamente para 28% e 16% nas pessoas de 75 a 85 anos. Dos que ainda mantinham relacionamentos sexuais, 58% dos mais novos e 31% dos mais velhos haviam praticado sexo oral, no último ano. Nos homens, as principais queixas de “problemas sexuais” foram: dificuldade de obter ereção (37%) e de mantê-la (90%), falta de interesse (28%); ejaculação precoce (28%), impossibilidade de atingir o orgasmo (20%). As dificuldades femininas foram: falta de interesse em sexo (43%), dificuldade de lubrificação (39%), impossibilidade de atingir o orgasmo (34%), ausência de prazer (23%) e dor à penetração (17%). Tomaram medicações ou suplementos que prometem melhorar a performance 14% dos homens e 1% das mulheres. Dos 1.198 homens e das 815 mulheres envolvidos em um relacionamento amoroso, apenas 3 homens e 5 mulheres se relacionavam com pessoas do mesmo sexo. Curiosamente, a freqüência de relações sexuais dos participantes considerados ativos foi similar à dos adultos de 18 a 59 anos, encontrada no National Health and Social Life Survey, publicado em 1992, o único estudo sobre a sexualidade americana tão abrangente quanto o que acabamos de descrever.

DE VOLTA À ATIVA

Depois de meses (ou anos!) parado, você resolve se matricular em uma academia ou retomar alguma atividade física. Parabéns! Essa é uma decisão acertada tanto na busca de uma vida mais saudável quanto na tentativa de conquistar um corpo em forma. Só não vale exagerar, senão o tiro sai pela culatra: em vez de benefícios, pode ganhar dores e dificuldade para continuar os exercícios. Fazendo tudo direitinho, dá tempo de sair da vida sedentária e ganhar contornos mais bonitos para o verão. Antes de começar, é preciso fazer uma avaliação física para saber a quantas anda seu condicionamento, sua força muscular e sua atividade cardiorespiratória. Depois, é aconselhável investir em um acompanhamento profissional para que a volta aos exercícios não seja prejudicial à saúde. Se não for possível pagar uma academia ou um personal trainer, escolha atividades leves, como caminhadas leves e passeios de bicicleta, e comece com 20 minutos pelo menos três vezes por semana. É só aumentar aos poucos o tempo do circuito e a intensidade. Quanto à segurança da atividade, é preciso ressaltar a necessidade de usar roupas adequadas e comprar tênis apropriados para o exercício que vai praticar. Querer aproveitar o calçado surrado mas que ainda está bonitinho é um erro que pode levar a lesões. Apesar de ser amplamente difundido como essencial, não podemos esquecer de frisar que o aquecimento é realmente imprescindível antes e após mexer o corpo. Ele diminui o risco de torções, distensões e outros problemas aos quais ficamos sujeitos enquanto nos exercitamos.
DICAS QUENTES PARA CHEGAR LÁ Tenha objetivos. Colocar metas curtas é mais eficiente que mentalizar que precisa perder 30 quilos. Se pensar que um quilo a menos na balança é um passo a mais em direção ao sucesso, tudo fica mais fácil. Trace marcas as quais deseja alcançar.
Muitas mulheres têm preconceito com a musculação. Esqueça isso! Essa atividade queima
calorias, o que ajuda a perder as gordurinhas extras, só é preciso ajustar as cargas e o número de repetições ao seu objetivo. Se for perder peso, explique ao professor que ele irá colocar menos peso do que seria necessária para desenvolver a massa muscular.
É considerado exercício físico a atividade que acelera o ritmo cardíaco de acordo com seu peso e sua faixa etária. As academias possuem essa tabela de porcentagem e os profissionais são treinados para auxiliarem você a saber se está atingindo a marca necessária.
Não fique se cobrando os resultados o tempo todo. Cada pessoa responde de uma forma e muitas vezes o corpo precisa se adaptar à rotina de exercícios. Nunca ultrapasse duas horas diárias de atividades, pois o risco de lesões é grande.
Fique atento ao seu corpo. Suar muito é comum quando se está acima do peso, por exemplo, mas vale a pena ficar de olho. Os exercícios costumam ter ação laxativa, o que pode desregular o trânsito intestinal, mas nada que cause desconforto. Sentir dores no corpo após 72h do último treino não é normal.

Obina é o Cara !

ESTUDANTES DO MIT DESENVOLVEM 'BICICLETA-LAPTOP'

Estudantes do centro tecnológico americano Massachussets Institute of Technology (MIT) desenvolveram um meio de carregar a bateria de um laptop pedalando uma bicicleta. A idéia nasceu como parte de um projeto para incentivar a redução do consumo de energia elétrica em equipamentos de informática no campus. Pedalando uma bicicleta ergométrica adaptada, usuários movem um sistema de roldanas que gera energia para alimentar uma bateria tradicional de 12 volts, como a utilizada em carros. Um adaptador como o utilizado no acendedor de cigarros do carro conduz esta energia ao laptop. Um controlador evita o fornecimento excessivo de energia para o computador. Bicicleta com laptop ajuda a manter a forma e é ecologicamente correta
Em cálculos preliminares, os estudantes estimaram que um ciclista é capaz de produzir continuadamente 75 watts, mais que os 30 watts necessários para alimentar o laptop. No experimento, um dos estudantes produziu 50 watts enquanto checava seus e-mails. Participantes do projeto se revezaram para utilizar a bicicleta-laptop, que deve agora ser instalada na academia do campus. Eles ressaltaram que a idéia não apenas é ecologicamente correta – pois em vez de consumir, os usuários produzem energia – mas facilita a vida de profissionais que têm dificuldade de encaixar os exercícios físicos na rotina diária.

O POLÊMICO ROMÁRIO

FRASES DE ROMÁRIO QUE MARCARAM SUA CARREIRA “Nunca falei que os gols foram feitos só nos profissionais e em jogos oficiais. Realmente, há gols em jogos festivos. Tenho a minha consciência tranqüila”. “Quando eu nasci, o papai do céu apontou o dedo e falou: esse é o cara”. “Onde está o meu nome tem confusão. Mas até que eu gosto. Porrada é comigo mesmo. Mas sou igual a índio. Só ataco quando sou atacado”. “Não devo nada a essa pessoa [Zico]. Não tenho culpa se tem gente que nasce perdedora”. “Agradeço muito a todos que estiveram comigo. Tive grandes companheiros como Euller, Alex Dias e Ronaldo. Mas, para mim, o que mais me ajudou foi o Bebeto”.
“Tenho uma relação íntima com a noite. Ela sempre foi minha amiga. Quando saio, estou contente e faço gols.Quem tem que se preocupar em ter uma imagem boa é televisão”. “Eu dedico às pessoas que me ajudaram, que sempre estiveram do meu lado, como meus pais, meus filhos, todos vocês. Estou muito emocionado, é um momento ímpar”. “Alguns falaram para eu parar, outros para eu continuar. Minha vida sempre foi assim, uns acreditando e outros não”.

CRISTÓVÃO BUARQUE

PERDEMOS UMA GRANDE OPORTUNIDADE DE DAR AO BRASIL UM PRESIDENTE COM VISÃO DE “ORDEM E PROGRESSO”, ATRAVÉ DA EDUCAÇÃO. SENADOR CRISTÓVÃO BUARQUE "As ditaduras são fabricadas por democratas insensíveis, irresponsáveis e incompetentes"
Post adaptado do Blog de Ricardo André.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

SELEÇÃO GANHA DO EGITO E ASSUME 3º LUGAR

HONESTIDADE: AINDA EXISTE...

MOTOBOY DE BRASÍLIA DEVOLVE US$ 6 MIL ACHADOS EM BANCO Um motoboy de Brasília encontrou US$ 6 mil dentro de uma pasta em uma agência bancária de um shopping da capital federal e, hoje, saiu cedo de casa para devolver o dinheiro.

De acordo com informações da TV Globo, o motoboy Irislon Lopes foi à delegacia para entregar os dólares que encontrou dentro de um envelope, onde havia o endereço da empresa dona do dinheiro.

A honestidade do rapaz foi elogiada, mas ele não deve receber nada da quantia. A única recompensa, por enquanto, é a sensação de dever cumprido. "Faz parte da minha personalidade, da minha pessoa. Eu não quero o que é dos outros", disse Lopes.

ÁGUA: O BEM MAIS PRECIOSO DA HUMANIDADE

Do Blog de César Maia – 20/11/2007 EMPRESAS DE SANEAMENTO DESPERDIÇAM 45% DA ÁGUA QUE DISTRIBUEM!
1. O número aceitável internacionalmente é de 15% a 20%. No Japão são 4%. As empresas de saneamento dos Estados, fazem marketing porque identificaram um gato aqui, outro ali especialmente com pessoas de renda alta. Isso é bom. Mas a perda no transporte é sistêmica e exige uma revisão radical das redes e da forma que são estruturadas, e seus percursos. SP com a menor perda e depois de um estudo financiado pelo Banco Mundial,anos atrás, tem 30,8% de perda. O Estado do Rio tem o maior volume físico de perda.
2. Esse é um escândalo ambiental sobre o qual os ambientalistas ficam calados. E um escândalo administrativo-financeiro, sobre o qual se fala nada.
Brasil desperdiça 45% da água captada para consumo
De toda a água que se retira de mananciais para abastecer as capitais brasileiras, quase a metade (45%) se perde antes de chegar às casas e atender à população. A principal causa são os vazamentos na rede. Porto Velho tem a pior situação entre as capitais em termos percentuais -78,8%- e o Rio de Janeiro tem a maior perda se for levado em conta o volume total jogado fora -o equivalente a 618 piscinas olímpicas. Em São Paulo, a perda é menor do que a média das capitais e fica em 30,8% -em 2001, a estimativa era de 33,5%. Mesmo assim, o extravio ainda é muito superior ao considerado aceitável por especialistas -entre 15% e 20%. O Japão, por exemplo, tem perda de apenas 4%.

THIAGO PEREIRA LIDERA VOTAÇÃO PARA MELHOR NADADOR DO ANO.

Tropa de Elite

O CONTEMPORÂNEO

NORONHA NÃO É UM BOM EXEMPLO DE PRESERVAÇÃO

É o que revela uma tese de doutorado defendida na Universidade de São Paulo. De acordo com a autora, Glória Maria Widmer, o arquipélago de Fernando de Noronha não estaria preparado para preservar suas praias nas altas temporadas e não se valeria de seu título de Patrimônio da Humanidade para atrair novos visitantes. O trabalho constatou que no período de férias escolares, os navios chegam com até 1.500 passageiros ao arquipélago - o Ibama permite no máximo 400. Além disso, as pessoas chegam em barquinhos pela Praia de Atalaia, que fica ao lado do único mangue em ilhas oceânicas do hemisfério sul, o que contraria todas as leis de preservação. Glória constatou ainda que cerca de 86% das pessoas que vistava o local não conhecia o título internacional conquistado pelo Arquipélago - situação bem diferente em países desenvolvidos, onde os governos se aproveitam desta situação para atrair turistas de forma moderada. Só para se ter uma idéia, o Brasil tem a quarta melhor classificação entre as nações do mundo que possuem sítios naturais, atrás dos Estados Unidos, Austrália e Rússia. Fernando de Noronha está entre os 17 sítios brasileiros, sendo 10 culturais e sete naturais. É uma pena que uma das mais belas vistas naturais do país não tenha um tratamento exemplar. Os moradores relatam que escondem lixos para não ter de pagar taxas extras para mandá-los de volta ao continente. Não é de se estranhar que parte dessas pessoas tentem dar um fim nos resíduos na surdina, no próprio arquipélago, sem que ninguém veja.

A BLOGOSFERA BRASILEIRA PRECISA AMADURECER POLITICAMENTE

DO BLOG DO LUÍS A blogosfera brasileira tem bons e bem capacitados representantes, principalmente aqueles blogueiros que tratam sobre novidades tecnológicas ou mesmo sobre o universo blogger. Mas ainda lhe falta maturidade. É preciso fazer jus aos quase 9 milhões de leitores de blog que existem no país. Os blogs se mostraram um excelente canal de comunicação para anônimos que antes não tinham espaço na grande mídia para comunicar suas idéias. Com a massificação do uso dessa ferramenta de publicação de textos no Brasil, surgiram nomes respeitáveis como Carlos Cardoso, Edney de Souza, Alexandre Inagaki, entre outros blogueiros que alcançaram certo destaque. Porém, ainda está longe o tempo em que a blogosfera tupiniquim ganhará peso suficiente para incomodar o poder, como ocorre com os grandes jornais. Claro que vários fatores, com a exclusão digital, por exemplo, contribuem para que a influência política dos blogs ainda seja limitada. Mas os blogueiros bem que poderiam chamar a responsabilidade para si, fazendo-se notar como cronistas políticos capazes de incomodar o poder. Alguns poucos blogueiros que tratam de política/economia, como o Ricardo Noblat (O Globo), o Josias de Souza (Folha de São Paulo), Paulo Henrique Amorim (IG), Mino Carta (Carta Capital), para citar apenas alguns - todos eles jornalistas de origem e blogueiros por ocasião - têm suas opiniões repercutidas na grande mídia. Mas isso se deve mais à importância que adquiriram nas redações onde trabalharam no passado e trabalham atualmente de que ao fato de ser blogueiros. Os blogueiros propriamente ditos, aqueles não jornalistas, com algumas exceções, não conseguem ter a mesma influência. Muitos escolheram o caminho humorístico para zoar com a situação política do país. Mas considero ser necessário fazer por merecer ser reconhecidos como comunidadores capazes de influenciar a opinião pública de forma mais instigante. Nos Estados Unidos e na Europa - claro que o nível educacional e de participação política por lá é bem melhor que aqui - os blogueiros conseguem ser recebidos pelo presidente Bush (caso dos EUA, especificamente) para entrevistas. Têm credenciais para cobrir eventos no centro do poder. Atuam como jornalistas alternativos. Nos EUA as investigações feitas por blogueiros e suas opiniões correm o país de Costa a Costa e encontram eco na opinão pública. No Brasil os blogueiros ainda se limitam a fazer campanha para eleger blogueiras a posar nua na Playboy… Seria muito interessante que os blogueiros se dedicassem mais a esmiuçar o dia-a-dia da política brasileira, a investigar assuntos que a grande mídia, por conveniência, deixar passar batido. A blogosfera brasileira poderia estar num estágio mais avançado de importância e colaboração para a melhoria da democracia que vivemos. Bem que poderia surgir mais e mais Vizinhos do Jefferson para infernizar a vida da politicalha brasileira. Aliás, este foi o primeiro blog brasileiro credenciado como mídia para cobrir o escândalo do mesalão em Brasília, no ano de 2005. Que tal os blogueiros se empenharem em ser reconhecidos como uma mídia de relevância entre os veículos de comunicação brasileiros? Que tal os blogueiros que são radicados no centro do poder cobrarem entrevistas periódicas com o presidente Lula? Que tal, diante da possível recusa, realizarmos uma infestação blogueira para mostrar que essa coisa chamada blog tem força. É preciso acabar com a síndrome de formiguinha e começar a se posicionar como uma mídia alternativa capaz de se impor no espectro comunicacional brasileiro. Acho que a blogosfera brasileira precisa se politizar mais. E se fazer notar.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

DÚ IÚ ANDEEEEENTENDI?

Você consegue entender isso? Veja abaixo a tabela da vergonha:

A explicação para este absurdo:

A Amazônia tem: ouro, nióbio, petróleo, as maiores jazidas de manganês e ferro do mundo, diamante, esmeraldas, rubis, cobre, zinco, prata, a maior biodiversidade do planeta (o que pode gerar grandes lucros aos laboratórios estrangeiros) e outras inúmeras riquezas que somam 14 trilhões de dólares.

O nordeste não tem tanta riqueza, por isso não há ONGs estrangeiras, lá ajudando os famintos. Enquanto isso, uma ONG estrangeira (principalmente do EUA) está gastando milhões de dólares para salvar o mico leão dourado.

Tente entender:

Há mais ONGs estrangeiras indigenistas e ambientalistas na Amazônia brasileira do que em todo o continente africano, que sofre com a fome, a sede, as guerras civis, as epidemias de AIDS e Ebola, os massacres e as minas terrestres.

Agora uma pergunta: Você não acha isso, no mínimo, muito suspeito?

Ao entrar na página de uma ONG indigenista ,da qual não citaremos o nome, uma das primeiras coisas que se vê é o emblema da União Européia, que investe milhões de dólares na demarcação de reservas indígenas no Brasil.

Por quê?

Quando há tantos problemas de maior gravidade: terremotos em El Salvador e na Índia, a catástrofe em que vive a África, a seca no nordeste, a epidemia de AIDS, etc.

E eles gastam milhões para demarcar reservas indígenas?? E que já são exageradamente grandes?

Por quê?

Para entender isso basta ler a frase abaixo:

"(Conselho Mundial de Igrejas Cristãs , sediado na Europa,1992) É nosso dever garantir a preservação do território da Amazônia e de seus habitantes aborígines para o desfrute pelas grandes civilizações européias." Lute contra o selo verde aqui no Brasil, só compre produtos sem selo verde. Selo verde é a mais nova forma de exploração da nossa Amazônia pelos países ricos.

DECEPÇÃO!

A seleção masculina de vôlei fez sua estréia na Copa do Mundo e perdeu para os EUA por 3 sets a 0 no domingo

LOGOMARCA DA COPA DO MUNDO NO BRASIL E 2014

Por e-mail de Raphael Crespo em 18/11/2007

A ARTE DE NÃO ADOECER

Dr. Dráuzio Varella
...Fale de Seus Sentimentos.
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos “segredos”, nossos erros... O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia!
Se não quiser adoecer...
Se não quiser adoecer...
...Tome Decisões.
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.
Se não quiser adoecer...
...Busque Soluções.
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Prefere a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.
Se não quiser adoecer...
...Não Viva de Aparências.
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc., está acumulando toneladas de peso... uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.
Se não quiser adoecer...
...Aceite-se.
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável.Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.
Se não quiser adoecer...
...Confie. Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.
Se não quiser adoecer...
...Não Viva Sempre Triste.
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive. "O bom humor nos salva das mãos do doutor". Alegria é saúde e terapia!

HIPERHIDROSE OU SUOR EXCESSIVO

Diário da Noticia - Nacional/ MT - Saúde - 11/11/2007
Um dos mecanismos mais importantes para a manutenção da temperatura corporal, e conseqüentemente o bom funcionamento de todos os órgãos e sistemas, é a produção de suor, especialmente durante a prática de atividade física ou em ambientes mais quentes. A produção do suor é controlada pelo chamado sistema nervoso simpático, uma rede especial de neurônios, responsável pela regulação de várias funções no nosso corpo.
A hiperidrose é uma doença caracterizada por produção excessiva de suor, devido a hiperatividade das glândulas sudoríparas. Acomete aproximadamente 1% da população e, embora não seja grave, causa extremo desconforto e constrangimento às pessoas. Freqüentemente é fonte de transtornos psicológicos e de relacionamento. O portador da doença, geralmente vive isolado e procura esconder o seu problema.
A hiperidrose pode ocorrer sem ter uma causa identificável, ou estar associada a outras doenças, como o hipertireoidismo (quando a glândula tireóide produz hormônio em excesso), distúrbios psiquiátricos, obesidade e menopausa.
Quais as características da doença?
O início dos sintomas pode ocorrer em qualquer idade e, eventualmente, pode-se encontrar outros parentes que tinham ou têm a doença. Geralmente, observa-se que as mulheres são mais acometidas que os homens. O excesso de sudorese pode ocorrer espontaneamente, mas a maioria das pessoas identifica situações e/ou fatores desencadeantes ou agravantes, como:
1- Aumento da temperatura ambiente Febre; 2- Prática de atividade física Ansiedade; 3- Ingestão de alimentos muito condimentados; 4- Os sintomas costumam melhorar durante o sono, e a pessoa relata que a sudorese é constante, podendo o suor ser "quente" ou "frio". Pode acometer várias regiões do corpo, mas as principais são as mãos e os pés (pode surgir logo após o nascimento) em segundo lugar está o acometimento axilar (geralmente surge na adolescência) e em terceiro lugar o rosto (comumente após os 40-50 anos de idade).
Observa-se uma importante relação entre estresse e a ocorrência das crises, especialmente nos pacientes com acometimento do rosto e das axilas. Apesar disso, os indivíduos com excesso de sudorese na palma das mãos e na planta dos pés também podem apresentar crises associadas a períodos de maior estresse. Algumas descobertas recentes indicam que as pessoas com peso aumentado apresentam sintomas mais graves. Além disso, observou-se que em mais da metade dos casos a hiperidrose está associada ao diabetes mellitus. Assim, as pessoas com risco aumentado para hiperidrose seriam as com sobre peso, os diabéticos e os parentes de indivíduos acometidos.
Quais seriam as conseqüências da hiperidrose na vida da pessoa?
O excesso de sudorese constitui-se em uma situação constrangedora e desagradável, que dificulta as atividades do dia-a-dia, podendo interferir no trabalho, no lazer e nas atividades sociais. Ações como segurar papéis, apertar a mão de outra pessoa, escrever podem tornar-se extremamente aterrorizantes. Existem casos de crianças que não conseguiam ser alfabetizadas, devido ao grande estresse que o fato de ir à escola representava a essas crianças. Adolescentes acometidos podem manter-se isolados das outras pessoas, não conseguindo estabelecer relacionamentos. A doença pode até atrapalhar na hora da escolha da profissão, já que não adianta ter talento para o desenho se o suor excessivo nas mãos impede a pessoa de exercer essa atividade.
Quando a sudorese é muito intensa, a decomposição do suor e das células mortas leva à produção de odor desagradável. Essa situação é mais comum nos indivíduos com hiperidrose acometendo as axilas. Leva, portanto, a intenso desconforto para o indivíduo, que procura se isolar das outras pessoas. Essa alteração do cheiro do suor é chamada de "bromidrose".
Qual o tratamento da hiperidrose?
Existem basicamente dois tipos de tratamento, o clínico e o cirúrgico. É importante ressaltar que a escolha depende da intensidade do caso, e também da opção do paciente e do médico. O tratamento clínico leva a resultados precários porque não é definitivo, e alguns métodos podem ser desagradáveis, caros e devem ser repetidos regularmente. O tratamento não-cirúrgico pode ser realizado da seguinte forma: Substâncias antiperspirantes e adstringentes: objetivam reduzir a produção do suor. Devem ser aplicadas após o banho, antes de deitar-se. Elas podem causar irritação na pele ou deixá-la amarelada.
Talco ou amido de milho: indicado nos casos de doença mais leve. Devem ser aplicados entre os dedos, sob as mamas e nas demais pregas da pele. Banho com sabonete desodorante: seu uso prolongado pode irritar a pele. Não utilizar o mesmo par de sapatos vários dias seguidos, e usar palmilhas absorventes. Medicamentos tomados por via oral, como antidepressivos e outros para ansiedade. No entanto, o alívio dos sintomas é parcial. Psicoterapia, técnicas de biofeedback.
Iontoforese: método de tratamento que se caracteriza pela aplicação de corrente elétrica na superfície da pele, com o objetivo de facilitar a penetração de medicamentos na mesma.
Uso de toxina botulínica Comumente são realizadas de 35 a 40 aplicações em cada região, a cada sessão. A duração do efeito é de 4 a 6 meses, sendo necessária nova sessão após esse período. Geralmente, as pessoas conseguem suportar até 4 sessões. É importante saber que a dose necessária é quase próxima da dose tóxica sendo assim, como o benefício não é definitivo, nos pacientes com sintomas mais intensos e que interferem muito em suas vidas, pode estar indicado o tratamento cirúrgico.
No que consiste a cirurgia para tratamento da hiperidrose?
O tratamento cirúrgico consiste na chamada "Simpatectomia Torácica". Existe, ao lado da coluna torácica, uma estrutura denominada cadeia simpática. Ela é constituída por pequenos gânglios que controlam, além de outras coisas, a produção do suor. A cirurgia consiste na eliminação dos gânglios envolvidos na doença. Antigamente, a cirurgia era feita por duas incisões ("cortes") no pescoço, mas atualmente vem sendo realizada por técnicas de videolaparoscopia. Essa técnica mais nova necessita de duas pequenas incisões, levando a cicatrizes praticamente imperceptíveis. A cirurgia está indicada geralmente nos pacientes com hiperidrose que não é decorrente de outras doenças. Nesses casos, o tratamento da doença principal leva, freqüentemente, à melhora dos sintomas. Os resultados da cirurgia são dramáticos. Quando acorda da anestesia, o paciente já percebe que não apresenta mais o excesso de suor nas axilas e nas mãos, sendo que a sudorese do pé reduz-se em 70%. Eles relatam que há muitos anos não sentiam suas mãos quentes e secas. Os resultados são permanentes e a melhora da qualidade de vida é indiscutível.
Como essas pessoas não suam mais nas mãos e nas axilas, pode haver aumento da sudorese em outras regiões do corpo, principalmente quando estão em locais quentes, fazendo exercícios físicos ou tomando sol. No entanto, a minoria desses pacientes apresentará queixa de tais sintomas e achará que não valeu a pena ter sido submetido à cirurgia. O que ocorre é que esses sintomas não incomodam o paciente.

10 NADADORES VETERANOS QUE AINDA FAZEM SUCESSO NA NATAÇÃO MUNDIAL

Luiz Lima - BRASIL
Best Swimming - Noticias/ Online - Natação - 08/11/2007
Existem vários "velhinhos" que ainda dão trabalho para a garotada mais nova. A Best Swimming no TOP 10 seleciona dez que têm feito "estragos" deixando a coisa mais dura para a nova geração:
1) MARK FOSTER (Grã-Bretanha) Aos 37 anos, Mark Foster ainda dá trabalho dentro e fora d´água. Recordista britânico, Foster é o melhor velocista britânico de todos os tempos. Porém, se recusa a participar dos programas da Federação, não gosta dos training camps e faz seu próprio treinamento. Teve muitos problemas com Bill Sweetenham e chegou até anunciar que não defenderia a Seleção Nacional novamente. Até anunciou sua aposentadoria. Continuou competindo e voltou a vencer no último Campeonato Nacional Está se preparando para o Mundial de Curta que será em Manchester no próximo ano. 2) THERESE ALSHAMMAR (Suécia) Aos 30 anos e cada vez mais rápida. Therese continua brilhando como nunca. Bateu o recorde mundial dos 50 borboleta em e venceu os 50 livre no Aberto de Paris com 24:23. Este tempo é líder do ranking mundial de 2007 e segundo melhor performance de todos os tempos. Therese caminha para sua quarta participação olímpica. 3) DARA TORRES (USA) Aos 40 anos, Dara já é o maior fenômeno da longevidade em natação. Recordista americana dos 50 livre com 24:, Dara voltou as piscinas apenas alguns dias após dar a luz a sua primeira filha. Dara voltou com intenção de melhorar a saúde e se motivou para conquistar o que jamais ninguém nunca conseguiu: Ser olímpica pelos Estados Unidos pela 5ª vez. 4) FABÍOLA MOLINA (BRASIL) Fabíola Molina é a nadadora brasileira de maior longevidade em destaque internacional. Aos 32 anos, Fabíola é imbatível nos 100 costas, prova que detém o recorde sul-americano por mais de uma década. Também detém as marcas continentais dos 50 costas tanto na curta como na longa. Já foi recordista sul-americana dos 200 costas. É uma das poucas "trintonas" que ainda fazem sucesso na América do Sul. 5) GARY HALL JR. (USA) Gary Hall Jr está em busca de um feito inédito. Aos 33 anos de idade, está treinando com o seu Race Club a caminho de uma terceira vitória na prova dos 50 livre nos Jogos Olímpicos de Beijing. Gary acumula dez medalhas olímpicas, das quais cinco são de ouro. Treinando pouco, mas sempre falando muito, Gary Hall é o tipo do nadador que nunca se pode desprezar. Os seus adversários lhe respeitam e não será surpresa vê-lo no time americano olímpico do próximo ano. 6) JASON LEZAK (USA) Aos 32 anos de idade, Lezak está treinando sozinho em busca da sua terceira participação olímpica. O nadador é uma espécie de líder dos velocistas americanos e seus treinamentos "solitários" ganharam até adeptos para treinar junto com o ídolo. Lezak tem fama de ser nadador de revezamento. Até hoje, nas suas quatro participações olímpicas, ele acumula quatro medalhas, duas de ouro, uma de prata e uma de bronze, todas em provas de revezamento. Em Campeonatos Mundiais, ele já ganhou três medalhas, todas em revezamentos. Em Mundiais de Curta, foram sete medalhas, e apenas uma em prova individual. Em Pan Pacíficos, foram quatro medalhas, apenas uma individual. Ou seja, não é fama, é fato. 7) LUIZ LIMA (BRASIL) 30 anos de experiência, das piscinas para as águas abertas. Luiz Lima foi o fundista dominante da natação brasileira nos anos 90 e no princípio desta década. Atualmente está se destacando mais nas águas abertas e continua seus treinamentos em busca de uma última participação olímpica em Beijing 2008. Luiz tem em seu currículo três medalhas em Jogos Pan Americanos e mais cinco em Universíades. A sua maior conquista, entretanto, é a filhinha Luiza, que já brilha nas aulas de natação da sua própria academia. 8) MARTINA MORAVCOVA (ESLOVÁQUIA) Quatro participações olímpicas, a primeira quando tinha apenas 16 anos de idade, fazem de Martina Moravcova, aos 31 anos de idade, a nadadora de maior expressão de seu país em todos os tempos. Duas medalhas de prata nas Olimpíadas de Sydney onde atingiu o máximo de sua carreira. Treina no Texas desde os 18 anos de idade e caminha para a sua última participação olímpica. 9) LARS FROELANDER (SUÉCIA) Quatro participações olímpicas, e aos 33 anos de idade, o sonho de mais uma em Beijing. Campeão olímpico dos 100 borboleta em Sydney 2000, Lars já não treina muito, apenas 3.000 metros por dia, o suficiente para se manter ativo e com o sonho vivo de chegar a Beijing. Duas vezes recordista mundial dos 100 borboleta em piscina curta, ganhou fama e medalhas internacionais primeiramente nas provas de livre sendo inclusive medalhista olímpico em 1992 no 4 x 200 livre da Suécia. 10) RYK NEETHLING (ÁFRICA DO SUL) O sul-africano tem uma carreira bastante interessante pelo fato de ter ganho fama internacional nas provas de fundo e atualmente, aos 30 anos de idade, se destacar nas provas de velocidade. Sua primeira participação olímpica foi em Atlanta 1996 quando ficou em 5º lugar nos 1500 livre. Logo após, se mudou para os Estados Unidos onde treina até hoje no Arizona. Voltou a ser olímpico em 2000 onde chegou as finais dos 400 e 1500 livre. Já em 2004, integrava o revezamento campeão olímpico recordista mundial e olímpico do 4 x 100 livre. Desde então tem se destacado nas provas de velocidade vencendo com freqüencia o circuito da Copa do Mundo em piscina curta onde se sagrou campeão geral nos anos de 2005 e 2006.

EXERCÍCIO PREDILETO

Jornal de Santa Catarina - Viver/ RS - Bem-Estar - 10/11/2007 Um bom par de tênis e muita disposição são suficientes para começar a se exercitar. A caminhada foi eleita o exercício predileto dos brasileiros. Pesquisa realizada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em parceria com a Faculdade de Saúde da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que 53% dos brasileiros que praticam alguma atividade física optam pela caminhada. O futebol fica em segundo lugar, com 18%, enquanto a ginástica atingiu o índice de 7% e a musculação, 5%.
A caminhada é considerada um dos melhores exercícios físicos não só para manter a forma, como também a saúde.
Ajuda a emagrecer, evita doenças e melhora o condicionamento e trabalha, principalmente, a musculatura do glúteo, da coxa e da panturrilha - enumera Mauro Nunes, professor de educação física.
Como nada acontece feito mágica, para alcançar esses objetivos, o correto é praticar, ao menos, 30 minutos três vezes por semana e, se possível, diariamente. Mas por mais simples que a caminhada possa parecer, alguns cuidados são fundamentais para evitar lesões. Acompanhe as dicas que o professor Mauro Nunes dá para não errar a dose de exercício: Exercício seguro: - Tenha um tênis com amortecimento adequado para evitar lesões, principalmente nos joelhos e coluna. - Consulte um médico antes de iniciar a prática. A caminhada pode ser perigosa para quem tem problemas cardíacos, por exemplo. - Alongue antes e depois do exercício. O alongamento é importante para evitar lesão e cãibra, além de aumentar o rendimento do ganho de massa muscular. - Caminhe pelo menos 20 minutos três vezes por semana. - Hidrate-se. Se tiver em um ritmo muito rápido, o ideal é beber água antes, durante e depois do exercício. Além disso, no período seco, é preciso tomar cuidado com os picos de umidade baixa. - Na passada, o calcanhar deve ser a primeira parte do pé a tocar o chão, depois a planta do pé e, por fim, os dedos.

10 MANEIRAS DE EVITAR E CONTROLAR A PRESSÃO ALTA

Dê mais atenção ao que você come e às suas emoções e forme uma barreira contra o mal
A hipertensão arterial ou, simplesmente, pressão alta é gatilho certo para uma série de males -- e não só aqueles que envolvem o sistema circulatório. "Normalmente, um paciente com pressão igual ou superior a 140/90mmHg é diagnosticado como hipertenso. São pessoas mais sujeitas a sofrer com falhas no coração, nos rins e até no cérebro" explica o cardiologista Enéas Rocco. (uma dieta balanceada é uma ferramenta poderosa contra a hipertensão)
A doença é crônica (não tem cura, mas pode ser controlada) e, por isso, é importante fazer exames regulares para detectar como andam seus batimentos cardíacos. Mas atenção: ter pressão alta não é sinônimo de ser hipertenso.
"Para ser considerado hipertenso, o paciente tem de permanecer com a pressão mais alta do que o normal" , diz o médico. Isso porque, momentaneamente, qualquer pessoa está sujeita a uma variação na freqüência cardíaca. Um esforço físico mais intenso ou momentos de estresse, por exemplo, alteram esses números.
Algumas atitudes, no entanto, ajudam não só a prevenir o problema como controlam níveis já elevados de pressão. Confira a seguir uma lista delas e imprima uma marca saudável ao seu dia-a-dia.
(fortaleça seu coração com a ajuda dos alimentos)
1. Manutenção do peso ideal- o sobrepeso aumenta dificulta o esforço do coração para conseguir bombear o sangue. Na prática, o músculo é exigido demais. "Como o bíceps de quem levanta peso, o coração de uma pessoa obesa acaba hipertrofiado" , explica o cardiologista. Com um risco: as lesões causadas pelo esforço excessivo podem se tornar irrecuperáveis.
(tome cuidado na hora de escolher o seu adoçante)
2. Prática de atividade física atividades físicas regulares, principalmente as aeróbias, contribuem para a melhora de todo o sistema circulatório e pulmonar. Só tome cuidado com os exageros: antes de começar qualquer treino, procure um especialista e faça uma avaliação geral.
(encontre aqui uma série de aulas para fazer em casa)
3. Redução de sal - o excesso de sal na dieta leva à retenção de líquidos, acarretando a hipertensão. Por isso, maneire na hora de temperar a comida e diminua o consumo de enlatados e alimentos em conserva.
(veja os perigos que os enlatados oferecem)
4. Evitar bebidas alcoólicas o álcool em grande quantidade é inimigo feroz da pressão sob controle. Corte as bebidas da sua dieta ou consuma com muita moderação
(saiba mais sobre os danos causados pelo álcool e aprenda a medir as doses de cada bebida)
5. Dieta saudável gorduras saudáveis e pouco sal são medidas indispensáveis na dieta de quem quer manter o coração saudável. Inclua ainda muitas frutas, verduras e legumes. Cortar a carne não é preciso, mas dê preferência aos cortes magros como filé mignon e músculo.
(nem toda gordura é ruim, aprenda a identificar)
6. Medicamentos se o médico recomendou, não deixe de tomar. Mas nada de sair por aí imitando a receita alheia. Vale lembrar que alguns medicamentos podem elevar a pressão, como os antiiflamatórios e anticoncepcionais, ressalta o cardiologista.
7. Cigarro o tabaco, em conjunto às outras substâncias tóxicas do cigarro, eleva a pressão imediatamente além de comprometer toda sua saúde. Parar de fumar imediatamente é fundamental , alerta o professor de Cardiologia da Santa Casa de São Paulo, Ronaldo Rosa.
8. Estresse - ele aparece como resposta do organismo às sobrecargas físicas e emocionais, acarretando a hipertensão e doenças do coração. Controle suas emoções e procure incluir atividades relaxantes na sua rotina.
(conte com as flores para dimnuir seus níveis de tensão)
9. Exames médicos avaliações regulares não só ajudam a identificar o problema no começo, facilitando o tratamento, como servem para adequar o uso de medicamentos de forma mais eficaz.
10. Medir a pressão no mínimo uma vez por ano, todas as pessoas devem fazer isso. A recomendação é da Sociedade Brasileira de Hipertensão, que alerta para esse simples exame como uma forma de prevenir problemas mais sérios.

ESPORTISTAS DE VERÃO

Futebol Total - Noticias/ Online - Medicina Esportiva - 09/11/2007 · Dr. Ari Zekcer
Com a proximidade do verão, muitas pessoas começam a se preocupar em como fazer para entrar em forma para "curtir" os locais comumente visitados nas férias. Daí começa uma verdadeira corrida às academias com a finalidade de conquistar rapidamente um corpo malhado e que fique bem nos biquínis, sungas e roupas da estação.
Essa pode ser considerada uma boa atitude por muitos. Afinal, fazer atividade física traz benefícios ao indivíduo sob vários aspectos. Saúde, convívio social, auto-estima. Enfim, a tendência é de que vários campos de sua vida melhorem. O grande problema é que não há fórmula-mágica que propicie transformações estéticas imediatas. São necessários meses e meses de exercícios - além de muita disciplina - para os primeiros resultados de modelagem corporal começarem a ser notados.
E é justamente por conta disto que nessa época do ano, muitos consultórios médicos são "invadidos" pelos "esportistas de verão". São aquelas pessoas que não praticam nenhum tipo de atividade física durante três estações e, às vésperas das férias de final de ano passam a dedicar horas a fio, sem intervalo de dias para descanso dos músculos, a uma carga excessiva de exercícios. Tudo com objetivo de compensar os efeitos do sedentarismo. Infelizmente, esse tipo de comportamento contribui sobremaneira para a ocorrência de lesões.
Isso porque não é possível que o corpo passe de um estado de semi-inércia para outro de atividade intensa sem "reclamar". A intensidade e o tempo dedicado à prática esportiva devem seguir um cronograma de evolução gradativa, sempre desenvolvido sob a orientação de profissionais gabaritados e depois de efetuados testes de avaliação física.
A maior parte das lesões durante a prática esportiva incide sobre membros inferiores, principalmente tornozelos e joelhos. Os músculos têm entre suas funções proteger as articulações. Quando enfrentam uma sobrecarga de atividade, os músculos não conseguem cumprir com eficiência às suas atribuições. O resultado disso é a ocorrência de lesões capazes de atrapalhar em muito as férias de qualquer um.
Entre as indicações mais comuns para prevenir o acontecimento de lesões está o intervalo de um dia de descanso entre dois de prática esportiva. Em outras palavras, treina um dia, descansa no dia seguinte. Isso dá condições para que os músculos recobrem energias que vão capacitá-los a proteger as articulações na próxima seção de treinamento. Ou seja, para espanto de muitos, o repouso também faz parte da atividade física.
Portanto, para aqueles que provavelmente não vão alcançar o seu ideal de "corpo perfeito" a tempo para freqüentar a praia ou os points da moda neste verão, esqueça a frustração. Mais vale a dica: o bem estar é válido para o ano todo! Procure seu médico de confiança, faça uma avaliação física, busque profissionais especializados que o supervisionem na prática de um esporte que lhe proporcione, antes de qualquer coisa, prazer.
Com o passar das semanas, você começa a descobrir detalhes interessantes de seu esporte. Também vai ganhar mais desenvoltura e o que pode ter iniciado como uma verdadeira "obrigação" passa a ser algo muito prazeroso. Logo, logo, outros efeitos passarão a ser notados, tais como mais disposição, bom-humor e adequação de peso. A conseqüência natural da prática esportiva habitual será mais qualidade de vida e um corpo bonito e saudável pronto para curtir qualquer estação!
*O ortopedista Ari Zekcer é especialista em medicina desportiva e cirurgia de joelho pela EPM - UNIFESP, diretor da Zekcer Sports Medicine, coordenador da equipe de ortopedia do Hospital São Luiz (SP), membro efetivo de entidades como Sociedade Brasileira de Cirurgia de Joelho (SBCJ), Sociedade Paulista de Medicina Desportiva (SPAMDE) e International Society of Atrhroscopy, Knee Surgery and Orthopaedic Sports Medicine (ISAKOS). Mais informações:
http://www.arizekcer.com.br/.

IBOPE: SÓ 21% DOS PROFESSORES ESTÃO SATISFEITOS

Estado de São Paulo - Vida& Educação - Educação - 06/11/2007 Só 21% dos professores brasileiros que trabalham em escolas públicas estão totalmente satisfeitos com a profissão. É o que mostra pesquisa inédita feita pelo Grupo Ibope, a pedido da Fundação Victor Civita. Foram ouvidos 500 docentes da rede pública de ensino das capitais de todos os Estados. A instabilidade financeira é um dos principais fatores que levam ao descontentamento da categoria com o trabalho. Apenas 32% dos professores afirmam tê-la conquistado, mas 90% deles a consideram condição fundamental para ter boa qualidade de vida.
Segundo o professor Celso Favaretto, da Faculdade de Educação da USP, que teve acesso aos dados, muitos professores da rede pública têm de dar aulas em duas ou mais escolas para receber um salário razoável. "Além disso, as condições de trabalho são precárias, há salas de aulas lotadas. Essa insatisfação do professor com o trabalho está relacionada com uma má gestão de todo o sistema escolar." Favaretto aponta outras aparentes contradições no discurso dos professores: 90% afirmam ter boa didática de ensino, mas, 70% dizem ver na falta de motivação dos alunos o principal problema em sala de aula.
"Acredito que afirmar ter boa didática de trabalho seja um discurso de defesa do professor, mas, se realmente tivessem, não teriam alunos desmotivados. Esses docentes possivelmente também não tiveram boa formação inicial." A pesquisa comprova a constatação do especialista: 64% dos professores avaliam a formação que tiveram como boa ou excelente. Contudo, 49% admitem que essa mesma formação os preparou pouco para a atuação em sala de aula.
O salário de um professor da rede estadual em início de carreira é de R$ 1.295,76 para uma jornada de 30 horas semanais (considerando piso e gratificações). Para David Saad, diretor-executivo da Fundação Victor Civita, a má qualidade da educação brasileira e a insatisfação do professor não estão relacionadas apenas a remuneração. "O professor também tem de entender sua responsabilidade sobre o aprendizado."

VAI UMA PIZZA AÍ ?

NÃO É DE HOJE !

Prof. Vitor Augusto Longo Braz
Neste artigo volto a insistir, no intuito de colaborar com o desenvolvimento do esporte em Campos, com um relato dessa minha “música de uma nota só”, ou seja, a infra-estrutura que Campos precisa para que o esporte em nosso município deslanche.
Logo assim que foi instituído, pelo Conselho Federal de Educação Física, numa Assembléia histórica em Poços de Caldas/MG, o dia 1º de setembro como o dia dedicado ao Profissional de Educação Física, o Conselho Regional de Educação Física da 1ª Região, o primeiro a ser instalado no Brasil e, ao qual, com muito orgulho tive a honra de ser convidado a fazer parte, orientou aos conselheiros que fizessem variadas manifestações em suas cidades de origem, no sentido de divulgar a data comemorativa ao Profissional de Educação Física. Era o primeiro Dia do Profissional de Educação Física a ser comemorado, um dia histórico, dia 1º de setembro de 1999.
Naquela oportunidade, na condição de Conselheiro Regional e Presidente da Associação dos Profissionais de Educação Física de Campos, reunimos a diretoria da APEF – Campos e decidimos pelas manifestações, os quais se constituíram em colocação de dezenas de faixas alusivas ao Dia do Profissional de Educação Física, reuniões com o, então, Diretor do CEFET-Campos, Prof. Roberto Moraes, com intuito de viabilizar um curso público de graduação em Educação Física e, com o então, Prefeito de Campos, Dr. Arnaldo Vianna.
Um grupo de dedicados profissionais de Educação Física, sempre atentos as questões da classe, formado pelos professores Guilherme Cortes, Valéria Cortes, Carlos Augusto Boynard, Raul Arenari, Osvaldo Cardoso, André Dias e este blogueiro, partimos para execução das ações decididas previamente nas reuniões antecedentes. Colocamos as faixas nas ruas e agendamos as reuniões. A primeira foi com o Prof. Roberto Moraes e logo após, na sede da Prefeitura de Campos, com o Dr. Arnaldo Vianna.
Relato estes fatos, como forma de preâmbulo, para abordar neste texto o que realmente interessa. Na reunião, com o então prefeito, Dr. Arnaldo Vianna, colocamos-lhe a par da regulamentação da profissão de Profissional de Educação Física e da obrigatoriedade, por força de uma Lei Federal, a lei 9696/98, do registro no CREF 1, para os profissionais de Educação Física da prefeitura de Campos, uma vez que, por se tratar, a regulamentação da profissão, de um fato novo, muitos profissionais estavam rejeitando se registrar no CREF e a prefeitura estava naquele momento instalando as academias populares. A reunião, um pouco mais estendida, tratou, então, de um interesse prioritário, no entendimento dos profissionais presentes, representando a classe dos profissionais de Educação Física de Campos, que era a construção de uma VILA OLÍMPICA, nos padrões internacionais, para que pudesse alavancar o esporte em Campos. Naquela época já se cogitava na realização de um “Jogos Pan Americano” no Rio de Janeiro. Argumentamos que, além de abrir novas frentes de trabalho para os Profissionais de Educação Física de Campos, tal medida poderia ser capaz de abrigar até algumas modalidades desportivas de um possível Jogos Pan Americano que se pretendia realizar no Rio de Janeiro.
O Dr. Arnaldo Vianna, desconversou o assunto, dando –me, em particular, a impressão de que o projeto não tinha seu interesse em se concretizar, como não se concretizou, ou seja a idéia, dada por nós, foi em vão, pois até hoje não temos a tão importante, quanto sonhada, Vila Olímpica em nossa cidade. Uma pena!
Naquela época a antiga Associação Atlética Banco do Brasil agonizava em dívidas e estava à beira de sua extinção, que se concretizou com a compra pela Prefeitura de Campos do espaço físico, por, se não me falha a memória, quase R$ 1.000.000,00 (hum milhão de reais). A promessa da municipalidade era transformar aquele Clube em um Centro Poliesportivo do município. No meu intimo, sabia que aquela ação, sem entrar no mérito de valores, não era a mais correta. A AABB não tinha as dimensões físicas, oficiais e necessárias, para abrigar competições oficiais de atletismo e grandes eventos desportivos, pois um local para atender essas necessidades tem que ter alojamentos, Parques Aquáticos variados, para saltos ornamentais, pólo aquático, competições de natação, refeitórios, etc. Basta-nos imaginarmos a Vila Olímpica que foi construída no Rio de Janeiro, sem querer que fosse de tamanhas proporções, embora grana a prefeitura tivesse e têm.
Bom, essa história que relato, aconteceu no ano de 1999. Acabaram com a AABB e, por conseguinte, deixaram muitos sócios, uma grande parcela aposentada do Banco do Brasil, sem uma Instituição que lhes proporcionasse lazer e entretenimento. É de bom reforço, que se diga que muitos aposentados eram freqüentadores costumas das manhãs de todos os dias, para ler o seu jornal, jogar uma partida de carteado e “jogar conversa fora”, como se diz no popular. Prometeram reforma no prédio em 1999, estamos no final de 2007. Passaram, desde essa época, quatro gestores do esporte em Campos. E nossa cidade até hoje não possui sequer uma pista de atletismo. O Parque Aquático da extinta AABB, hoje sede da Fundação Municipal de Esportes está, se não deram jeito ainda, em estado deplorável, um verdadeiro criadouro de mosquitos.
Não é de hoje, como vocês puderam notar lendo este texto, que nós, quando éramos os representantes legais e legítimos dos profissionais de Educação Física de Campos, estamos cobrando das autoridades municipais infra-estruturas necessárias para que o desporto campista se alavanque e dê oportunidade para todos os cidadãos, dos mais diversas localidades de Campos.
Esporte é educação, é cidadania, é integração, é inclusão, é política, é formador de caráter, e muito mais. E, para não fugir a regra, as autoridades de nosso município, como a maioria dos políticos não deseja um povo com a verdadeira concepção de cidadão, que reconhece seus direitos e exige-los. Formar cidadãos pode ser “um tiro da pela culatra”, como diz o dito popular, para certos políticos.

domingo, 18 de novembro de 2007

O SILÊNCIO QUE INCENTIVA

Jornal do Brasil - 07/11/2007
Paulo Julio Clement, Editor de Esportes
Como sempre, o atleta envolvido em caso de doping nega o fato. Na tentativa infeliz de camuflar seu ato diante dos mais modernos métodos de análises. Como sempre, as autoridades do esporte nacional fecham os olhos e a boca. A CBDA se esconde e diz que espera outras confirmações. O Comitê Olímpico Brasileiro, muito pródigo em declarações ufanistas quando o assunto à autopromoção, também pede para não dizer nada antes do pronunciamento dos órgãos internacionais. Ou seja, negar, desviar o foco, fingir que não está acontecendo nada não é prática exclusiva do atleta. Seus chefes, os dirigentes de entidades, agem assim. Preferem a desinformação e o silêncio omisso.
Tudo isso serve, de certa forma, como uma espécie de estímulo para alguns atletas "jogarem com a sorte" e tentarem ludibriar um dos princípios básicos do esporte, que é a lealdade. Uma pena que a suspeita sobre Rebeca Gusmão tenha contornos cada vez mais definidos de verdade. Mestre Eduardo De Rose, membro da comissão de dopagem do Comitê Olímpico Internacional, não vê chance para ela.
O Pan encheu o Brasil de medalhas mas, como se sabe, está longe de corresponder à verdade do esporte mundial. Ano que vem, em Pequim, diante das potências internacionais e uma delegação americana de primeira, o Brasil ganhará bem menos do que as 54 medalhas de ouro obtidas no Rio de Janeiro. Mas esperamos que as poucas que pingarem sejam autênticas e fruto da superação de verdadeiros grandes atletas.

Tucano Confuso.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

"DIABETES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES" É O TEMA PARA O DIA DE COMBATE A DOENÇA

O Povo - Saúde/ CE - Saúde - 12/11/2007 Atualmente, mais de 200 crianças desenvolvem diabetes a cada dia. E as novas estatísticas mostram que a cada ano mais de 70 mil crianças desenvolvem diabetes tipo 1 "Diabetes em Crianças e Adolescentes" é o tema escolhido pela International Diabetes Federation (IDF), e adotado por todas as entidades filiadas para marcar as ações do Dia 14 de Novembro - Dia Mundial do Diabetes. O diabetes é apontado, hoje, pela Organização das Nações Unidas (ONU), como uma doença crônica, debilitante e de alto custo, principalmente quando associada a complicações severas. O maior objetivo da IDF, este ano, é chamar a atenção para o crescimento do número de casos de diabetes tipo 2 em crianças e adolescentes. As novas estatísticas da entidade mostram que a cada ano mais de 70 mil crianças desenvolvem diabetes tipo 1. Pelo mundo, 440 mil crianças com menos de 14 anos têm este tipo de diabetes. O tipo 2, que antes se desenvolvia apenas em adultos, está aumentando com uma rapidez alarmante, especialmente entre minorias étnicas. Segundo a IDF, este aumento é decorrência da obesidade e da falta de atividade física. Atualmente, mais de 200 crianças desenvolvem diabetes a cada dia. O diabetes tem um impacto particular nos jovens e em suas famílias. O dia-a-dia é alterado de repente: medições de glicemia, aplicação de insulina, regulação da atividade física e da alimentação. Se a adaptação do paciente não for feita de maneira adequada, o novo estilo de vida pode afetar também a saúde emocional. "Por isso, é necessário dar assistência para as pessoas que convivem com o paciente, para que saibam lidar com a criança ou o jovem, fazendo com que ele chegue à idade adulta sem nenhuma complicação e aceitando bem sua condição", afirma o oftalmologista Virgilio Centurion, diretor do Instituto de Moléstias Oculares (IMO). Em relação à saúde ocular, o melhor caminho para evitar complicações é a prevenção. "O diabetes provoca uma série de reações no organismo que afetam diretamente a saúde ocular, predispondo o paciente a complicações na córnea, no cristalino e no controle da pressão intra-ocular. Além disso, favorece o aparecimento da retinopatia diabética, a maior causa de cegueira permanente em indivíduos economicamente ativos", alerta o médico. "Falar, orientar as crianças e os adolescentes sobre a importância de manter a doença sobre controle é uma das formas de prevenir complicações futuras relacionadas ao diabetes", defende o oftalmologista Edson Branzoni Leal, que é especializado no tratamento das moléstias oculares do portador de diabetes. Segundo o médico, quanto mais informação o paciente dispõe sobre a doença, maiores são as suas chances de adesão ao tratamento e de aceitação das medidas preventivas de complicações decorrentes do diabetes.

DUAS CARAS

PARA REFLETIR

Há sentimentos que tem a mesma duração e a intensidade daqueles que nos chegam com a audição de uma música que nos toca.
Segui-los é sempre um erro. Sejam eles bons ou maus. Porque, como música, foram feitos para sobreviver em um instante, e serem mágicos ou destrutivos apenas naquele espaço de tempo que ocupam.