domingo, 7 de outubro de 2007

O “Elefante Branco” da FME

Vitor Augusto Longo Braz* O “Elefante Branco” da FME – 11/09/07 No ano de 2000, concebi um projeto, que na época se transformou, para mim, a menina dos meus olhos e em um grande desafio a sua execução. O Projeto, por mim, intitulado de FESPORTE CAMPOS, consistia no aproveitamento do cais da Lapa para a prática desportiva e promoção de eventos esportivos e culturais, como shows, por exemplo. É um amplo projeto que comportava eventos esportivos dentro da quadra, como: futevolei, duplas de vôlei, beach soccer e frescobol. Dentro do Rio Paraíba: Travessia de natação, regatas diversas, como: de laser, de remo, de caiaque, de caíque, desafio de jet sky e Wind surf. Na orla: apresentações de artes marciais, corridas rústica e procedimentos de medição de pressão arterial, glicemia e peso ideal. De um dia para o outro, ou seja, de sábado para domingo, um show popular regional. Para tanto, o projeto previa a construção de uma “Arena Esportiva”, ou seja, uma infra-estrutura composta de arquibancadas, palco, quadra de areia macia e limpa e quiosques - que poderiam ser até tendas, para medições de pressão arterial, glicemia e peso ideal, através do fracionamento das medidas de composição corporal, de forma informatizada, para fornecer dados e dicas, com vistas à melhoria da saúde, bem estar e qualidade de vida da população. Na ocasião, da elaboração deste projeto, apresentei-o a CARJOPA, que tinha como então presidente, o empresário Marcelo Diegues. Marcelo adorou o projeto, porém a entidade que dirigia estava no seu começo e não dispunha de recursos capazes para transforma-lo em realidade. Apresentei-o, então, a Kaiser, que após análise dos diretores da empresa, também fizeram uma avaliação positiva de sua execução, sugerindo, inclusive, que trouxesse a Dora Bria, campeã mundial na época de Wind Surf e, por demais, presente na grande mídia nacional, para agregar mais valor ao evento. No entanto, a distribuidora da Kaiser estava em vias de mudança da nossa cidade e, o meu tão sonhado projeto, mais uma vez, ficou engavetado. Quero registrar que este projeto foi apresentado a essas duas Instituições e, deixado com os seus respectivos dirigentes, a cópia do mesmo. Esses empresários, em momento algum, se apoderaram do mesmo e, tão pouco, executou algo parecido com o que lhe foi apresentado e deixado com eles. Demonstraram ética, no sentido amplo da palavra. Pois bem, na coalizão política partidária que o Prefeito Alexandre Mocaiber se propôs a fazer, o PSDB foi um dos partidos avocados a compor sua base política. O ex- deputado Paulo Feijó, embora na época sem partido, mas que apoiou o Prefeito Alexandre Mocaiber, no segundo turno das últimas eleições municipais, foi agraciado com a oportunidade de indicar um dos seus correligionários, para dirigir a Fundação Municipal de Esporte. Dessa forma, Feijó indicou o empresário e ex-sargento do Exército, Ivanildo da Silva Cordeiro, para assumir a pasta da Fundação Municipal de Esportes de Campos. Minha expectativa foi tremenda, vibrei como se tivesse sido eu o indicado, uma vez que, tratava-se de um amigo de mais de 20 anos, que apoiei para deputado estadual, na campanha de 1995 ou 1996, não me lembro bem, e que sempre teve um excelente relacionamento de amizade comigo. Antes de sua posse, como presidente da FME, apresentei-lhe um amplo projeto para proporcionar um impacto, algo que mostrasse a mudança de comando no esporte campista. Neste projeto, que levei semanas para concluir, constava circuito de corrida de rua, circuito interbairros de futevolei, circuito campista de natação, o FESPORTE Campos, dentre outros eventos. O projeto estava, ao meu ver completo, com datas, horários, recursos materiais, humanos e financeiros especificados para cada evento e todo detalhamento necessário para o sucesso do empreendimento. Contudo, minha decepção começou quando nem convidado para sua posse eu fui. Mas, não fiquei magoado, poderia ter sido esquecimento do amigo de mais de 20 anos. Quando o procurei para lhe requisitar um apoio para um evento aquático, o mais tradicional de Campos, que já desenvolvia há sete anos sem contar com o mínimo de apoio da municipalidade, minha decepção aumentaram um pouco mais. Dificuldades de todos os tipos foram, pelo presidente e seu tesoureiro apresentado, e o apoio, por mim, requisitado, tornaram-se quase que impossível. O resultado é que não obtive o apoio para este tradicional evento, verdadeiramente de base, que fomenta a natação de nossa cidade, pois reúne em cada uma das suas etapas, uma média de 500 crianças, de faixa etária compreendida entre 1 a 18 anos, de mais de 25 Instituições, dentre as quais: projetos sociais, clubes, academias, condomínios, escolas públicas de variadas localidades, como Travessão e Martins Laje, e que sempre foi realizado com o maior zelo e organização. Todas as 31 etapas, ao longo dos 7 anos e meio de realização, foram coroadas de pleno sucesso. Foi uma falta de visão desportiva imperdoável do Presidente da FME e seu tesoureiro. Em outra ocasião, fui até ao presidente da FME, requisitar um apoio para realização da 2ª Corrida de Travessão. Novamente, dificuldades outras, foram impostas. Mesmo assim, fui por diversas vezes à sede da FME, inclusive, certa vez, acompanhado da Diretora do Colégio Estadual Nelson Pereira Rebel, profª Zamite Barreto, para tentar o apoio, que só aconteceu quando procurei o Feijó e relatei as dificuldades que estava tendo para o meu pleito. Diga-se de passagem, que nesta corrida rústica a previsão de participarem mais de duzentos corredores se concretizou, e o próprio presidente da FME, foi testemunha ocular não só do quantitativo de participantes, mas da sua organização séria e profissional, com apuração informatizada, algo inédito em nossa cidade, e a presença de atletas de vários outros municípios. Ressalte-se, por importância, que neste evento a verba destinada mal deu para cobrir os custos da corrida e que foi gerenciada pela diretora da Instituição. Só para reforçar: eu, Vitor, não ganhei absolutamente nada em termos financeiros, nenhum centavo. Ganhei sim, e fiquei imensamente satisfeito, a felicidade de ter realizado mais um importante evento esportivo, de inclusão social e de integração, que contou com a presença de componentes do Grupo da Terceira Idade de Travessão, e do maratonista mais idoso do mundo- Sr. Tuplet Vasconcelos (94 anos) - na minha carreira profissional. Mas, a minha maior decepção foi quando vi aquele meu tão sonhado projeto da Arena Esportiva – O FESPORTE Campos, começar a ser executado pela FME, sem ao menos ter sido comunicado pelo presidente da FME. Ao encontrá-lo, por um acaso do destino, na Semana do Meio Ambiente, no Centro de Campos, já sabedor de sua intenção, em realizar aquele evento, que lhe apresentei na véspera da sua posse, indaguei-o sobre seu procedimento, antiético diga-se de passagem. O presidente, então, desconversou e mudou o assunto. Como se não bastasse essa atitude antiética, que não condiz com qualquer ser humano, muito menos, com um Gestor Público, comecei a ser difamado por ele, com adjetivos pouco agradáveis, que não gostaria de expor publicamente. Mas DEUS é magnânimo! Consegui uma mão amiga na Secretaria de Indústria, Comércio, Turismo e Tecnologia, na pessoa do secretário, Dr. Rockfeller Felisberto de Lima, e de seu subsecretário, Sr. Marcelo Queiroz, dois jovens dinâmicos e de grande visão. “Abri” a porta do Turismo para realizar importantes eventos esportivos, que serviram de poderosas ferramentas, para se alavancar o Turismo em Farol de São Thomé e Lagoa de Cima, mobilizando os idosos de Campos e atletas de renome Internacional e de toda Região. Aí minha decepção, já se configurando em mágoa, majorou, quando o Presidente da FME, talvez, envergonhado, enciumado, invejado, ou sei lá que sentimento baixo lhe possuiu, passou a tentar fechar as portas que abri na Secretaria de Turismo, ameaçando embargar todas as atividades esportivas turísticas que não fossem através de sua pasta. Graças a DEUS, essas suas atitudes só têm colaborado para que sua personalidade e caráter sejam, cada vez mais, do conhecimento público, não obtendo eco nenhum junto aos seus interlocutores, que estão constatando a seriedade e o profissionalismo que, modesta à parte, faz parte da minha personalidade e caráter. E a Arena da Lapa, o meu “FESPORTE” Campos, que pena! Passou a ser considerado um ELEFANTE BRANCO, estando na maior ociosidade há quase um mês. Sua efetivação se constituiu num verdadeiro fracasso, executado nas “coxas” e em cima da hora, a dois dias do previsto, as festividades de São Salvador. De lá, para cá, a “Arena da Lapa”, ficou abandonada, a mercê de traficantes e de usuários de drogas da comunidade que controla o tráfico nas imediações. Uma tristeza para mim e acredito, que para toda população campista. E o que agrava, mais ainda, essa situação, é que o “ELEFANTE BRANCO DA LAPA” está sendo bancado com o erário público, ou seja, com o meu dinheiro, com o seu e o de toda população de Campos.
Foto do abandono e desperdício de dinheiro público. Um verdadeiro “Elefante Branco”. 11/09/07
Mas, como tudo na vida, é passível de mudanças, quem sabe o presidente da FME, não coloca a mão na consciência e vislumbre que tudo na vida é passageiro. Que não vale a pena ficar de “sapato alto” e jogar no lixo da sua vaidade, as antigas, verdadeiras e fiéis amizades, construídas ao longo de décadas, com parceiros que começaram juntos, com todas as dificuldades e, como diz o dito popular: “comendo o pão que o diabo amassou”. Que o Bom DEUS lhe abra seu coração e descortine sua visão obscurecida pela arrogância, ostentação, vaidade e presunção que o Poder cega. Para finalizar quero dizer, que apesar da decepção e da mágoa que, no momento, sinto, não posso alimentar esses sentimentos dentro do meu Ser, sob o risco de não ser digno de galgar o Reino de DEUS e proporcionar combustível para qualquer tipo de doença. Torço pelo seu sucesso e, todos os dias faço emanações das melhores vibrações de positividade para o amigo Ivanildo Cordeiro.

13 comentários:

Anônimo disse...

Seu amigo Cordeiro não esta dormindo direito porque Feijó esta sugando dele as satisfações devidas para tanta falta de preparo para exercer um cargo que não tem nenhum conhecimento.Tá acabando com os poucos eleitores que restam para o futuro vereador.

Anônimo disse...

O blog do professor Roberto Moraes vem trazendo vários comentários a respeito do texto elefante branco da lapa tréplica.Ailton Jr.

Raphael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Concordo com eles,é uma boa idéia.Felipe Antonio

Anônimo disse...

Sou Renato,exclui comentário para poder inserir mais idéias.Como disse antes a prefeitura deveria aproveitar o espaço para fazer shows sem cobrança de ingressos para as pessoas poderem aproveitar.E mais fazer apresentações teatrais,danças,grupos folcloricos,visando aproveitar o elefante.

Anônimo disse...

Gostaria de dizer ao professor Vitor,que o projeto esboçado pelo senhor é realmente maravilhoso!Felicidades,

Anônimo disse...

Precisava era reformar a sede da fundação de esporte para proporcionar aos jovens e idosos um lugar decente de se praticar atividades fisicas variadas como no Sesi.Paula

Anônimo disse...

Professor Vitor,a Paula esta certa,com certeza esse dinheiro daria para reformar a sede da antiga AABB.Mas eu acho que falta critério.

Raphael disse...

Meu caro amigo Vitor Longo,você é realmente um guerreiro,um homem que luta por seus propósitos e convicções,que por sinal são ótimas e verdadeiras.Todo sucesso lhe desejo!
O seu blog esta ótimo!Deus o abençõe,abraço do amigo Raphael Crespo.

Anônimo disse...

a arena é bacana faltou incrementar

Anônimo disse...

Ouvi dizer que vão desmontar a arena e fazer um estacionamento lá,para poder arrecadar dinheiro para reformar as piscinas da AABB antiga.

Anônimo disse...

Não concordo!não precisa fazer nada disto,basta fazer um festival do shopp no local para incrementar aquilo lá.Pode trazer até a banda sepultura!Waschington

Anônimo disse...

A prefeitura podia aproveitar o local para fazer os desfiles de boi pintadinhos no carnaval.NÉIA-PQ.AURORA